Se tem uma coisa que mudou logo na nossa vida com a gravidez foi a união na família e entre os amigos. Todo mundo queria participar! Não fizemos chá de bebê, mas ganhamos muitos presentes, muito carinho e apoio.

Me lembro também das primeiras compras. Não era muito ligado nesse lance de decoração, mas me vi escolhendo berço, coisa pra quarto e não me esqueço do dia que comprei um mobile de passarinho. Não sei porque, mas quando montei esse mobile no berço, olhei e a ficha caiu: eu vou ser pai, mesmo!!

Não demorou muito para eu perceber que nem tudo é tão simples. De estar grávido a ser pai tem um longo percurso. A vida é frágil! Um sangramento meio marrom surgiu e – Ah! – que gelo na barriga.

Você acha que está grávido e pronto, é só esperar nascer. O susto foi grande. Mas aí, tem que ser calmo, porque você está grávido, mas seu filho está na barriga dela, e alguém tem segurar a onda. Meu irmão, se o pai não assegurar que está tudo bem, providenciar o hospital, não dá certo. Cara de paisagem, mas não muito de paisagem, porque ela não pode achar que você não está ligando, nessa fase parece que ficam mais sensíveis. É complicado, mas rola um instinto!

Felizmente, na ultrassom estava tudo bem. Que alívio!

O resto da gravidez foi tranquilo. Minha esposa estava linda durante todo o tempo. A gente teve relação até o final da gestação. Foi natural, sem culpa, sem medo.

Aí, depois de nove meses, nasceu, de parto normal, a Antonella!
Sim! Sou pai de uma menina!! Conto como foi essa descoberta no próximo post!

Deixe um comentário