Há 20 anos é comemorada, nos primeiros dias de agosto, a Semana Mundial de Aleitamento Materno. Neste aspecto tão importante da saúde materno-infantil, apenas uma semana não é o bastante para tantas ações e ferramentas de promoção de uma prática que salva nada menos que 6 milhões de crianças por ano. Surgiu, então, o Agosto Dourado!

São envolvidos profissionais da saúde, organizações não governamentais e governamentais, comunidades e grupos religiosos. Mas é a você, mamãe, com bebê no colo ou ainda na barriga, que dedico algumas informações amorosas para que ofereça ao seu bebê a nutrição que a comunidade científica acredita ser o padrão ouro.

Primeiramente, seu corpo já preparou os mamilos para a amamentação e você já deve ter notado algumas modificações: tornou-se mais escuro, com algumas bolinhas espalhadas… Então não precisa sofrer com buchas ou estica e puxa. Também não é preciso tomar banho de sol ou usar cremes e pomadas. Consulte um pediatra antes mesmo do nascimento do bebê, para que ele oriente como se preparar e o que fazer em caso de possíveis problemas.

É necessário também preparar a sua mente: amamentar envolve dedicação e paciência para que se crie uma ligação forte de intimidade. A amamentação deve ser em livre demanda, ou seja, o bebê se alimenta quando desejar e, para isso, você deve estar sempre à disposição.

Manifeste seu desejo, logo ao adentrar na sua sala de parto, de ter seu bebê alimentado dentro da primeira hora de vida, independente da via de parto. Sim, é possível! E já comemoramos 10 anos desta linda estratégia! Ela favorece a primeira imunização do bebê por meio do colostro e aumenta sua proteção contra infecções, agiliza a liberação do hormônio do amor – a ocitocina -, que ajuda na contração uterina, e evita hemorragias no pós-parto.

Além disso, o contato pele a pele transmite calor e conforto ao bebê, reforçando os vínculos afetivos!

Passe o tempo que puder com o bebê junto a você: sua voz, a batida de seu coração, sua movimentação e sua respiração passam segurança e fazem o bebê nunca se sentir desamparado, além de facilitar e promover o encontro para a mamada. Colo e amor nunca viciam!

Aproveito para lhe desejar uma linda “lua de leite”, numa jornada de muitas descobertas, de limites, afeto e paciência, mas a mais sólida: a da construção dos laços do amor. E que estes sejam dourados!

 

Dra Maria Leticia Mendes é Pediatra, com residência em Terapia Intensiva Pediátrica. Atua em UTI e no Hospital Santa Rita de Cassia, onde integra equipe com cuidados humanizados no parto e no nascimento. Atualmente cursa especialização em cuidados paliativos. É mãe da Luisa e do Thiago.

Deixe um comentário