As férias chegaram e a criançada ficará mais tempo em casa e em locais que apresentam algum perigo, como parques, piscinas e até mesmo na praia – onde o clima é mais quente. Para garantir a diversão com segurança, alguns cuidados devem ser tomados. Separamos algumas dicas para que esses dias de folga sejam só alegria!

Em entrevista ao site Ponto Vida, o pediatra Sylvio Renan Monteiro de Barros, profissional com mais de 30 anos experiência, alertou para o número de acidentes com crianças nas férias, período em que os índices aumentam muito.

“Não se deve interferir ou atrapalhar a diversão da criançada, mas é preciso ter a supervisão de um adulto. Recomendações simples, como respeitar os limites e indicações das faixas etárias para cada tipo de brinquedo ou locais de acesso permitidos nos parques, são também atitudes preventivas”.

Confira abaixo algumas dicas do pediatra Sylvio Renan, autor do Blog do Pediatra e do livro “Seu bebê em perguntas e respostas – Do nascimento aos 12 meses”.

Adulto junto sempre! Nenhuma criança deve ficar sozinha, sem a supervisão de um adulto. Isso ajuda na prevenção de acidentes e evita que seu filho se perca em locais públicos. Em muitas situações, vale a pena colocar uma pulseira de identificação na criança, inserindo o nome e o telefone do responsável, facilitando a sua localização.

Alimentação: É importante deixar a criança bem hidratada, oferecendo água a cada hora. Quanto às comidas, o recomendável é que se dê preferência às frutas, legumes e verduras, evitando frituras e peixes, sobretudo provenientes de locais desconhecidos.

Exame Médico: Antes de frequentar a piscina de um clube (e mesmo do condomínio), a criança deve fazer exames médicos. Muitas doenças, como micoses, são facilmente transmitidas nesses locais.

Boias: Crianças menores devem utilizar boias ou pequenos coletes. Boias de cintura podem ajudar a criança virar, não cumprindo seu principal papel, o de proteção. Na praia ou piscina, mesmo fora da água, é preciso manter o uso de boias e/ou coletes. A criançada corre e brinca muito e, de repente, estão de novo dentro d´água, muitas vezes sem que o adulto perceba.

Ralos das Piscinas: Este é um alerta de extrema importância: estes mecanismos fazem a sucção da água e quando uma criança entra em contato pode vir a ter seus cabelos ou partes do corpo presos, gerando acidentes graves, às vezes até fatais. O ideal é que as piscinas tenham dispositivos que evitem esta sucção, e os pais devem orientar e monitorar os pequenos para que não se aproximem destes ralos.

Exposição ao sol: O horário de exposição aos raios solares é de até às 10h e após às 17h.

Protetor solar: Ele deve ser aplicado a cada hora, sempre homogeneamente. É preciso esperar cerca de 10 minutos após a aplicação, para então a criança entrar na água. Sob o sol muito intenso, nos horários de pico, o protetor não evita queimaduras. Mas, atenção: bebês com idades abaixo de 6 meses não podem usar protetores solares e os cuidados devem ser mais intensos, evitando-se a exposição ao sol.

Roupas: Roupas escuras absorvem muito calor. Priorize roupas leves e de cores claras.

Fonte: Ponto Vida

Deixe um comentário