Enxoval do bebê: o que comprar?

Com o bolso apertado e sendo mãe de primeira viagem, dificilmente não vamos ficar com dúvidas na hora de montar o enxoval do bebê. O mercado nos oferce tanta coisa e na empolgação é quase impossível não se deixar levar por tantas bugingangas fofas que vemos por aí.

Comigo não foi diferente! Pesquisei, pesquisei, acabei fazendo ótimas compras e outras nem tanto. É claro que o que pode ter sido uma roubada pra mim, pode ser de grande serventia pra você.  Vou listar abaixo alguns dos meus itens favoritos e outros nem tanto assim, das coisas que fazem parte do dia a dia da minha princesinha:

1 – Menos é sempre +

Qual é a mãe que não fica louca com cada roupinha fofa que encontra pela frente? Que namora as peças pensando o dia que verá seu bebê dentro dela? Aaah… A tentação é difícil! Eu tentei comprar o mínimo possível com medo de exagerar e o bebê crescer rápido demais e acabar não usando nada.

Resumindo: analisei primeiramente a época do ano que Anita iria nascer e comprei 8 conjuntinhos tamanho P , uns 3 RN e algumas poucas roupas em tamanhos maiores. Todo o enxoval cabia dentro da mala de maternidade dela. Queria antes de comprar muita coisa, ver o rostinho da minha filha e qual tamanho ela teria.

Foi sem dúvidas a melhor coisa que fiz! Ela ganhou muitas peças de roupas de presente e também de amiguinhas que já estavam maiores. Fui comprar roupas, de verdade, no inverno deste ano – quase um ano depois. Ela tem uma quantidade excelente de peças e usa bastante as que tem sem desperdício.

2 – Banho de água fria

A primeira coisa que comprei quando descobri que estava grávida foi uma banheira daquelas de pezinho e trocador… Que furada! No total a usei no máximo uns 15 dias. Descobri que era muito melhor e me deixava muito mais segura para dar banho no meu bebê em cima da minha cama. Aquelas banheiras super baratinhas que encontramos em lojas de utilidades foi o que me acompanhou até Anita começar a ficar em pé e querer só tomar banho no chuveiro.

3 – Elefante branco na varanda de casa

Outra compra da qual me arrependo é do meu carrinho de passeio. Depois de muito pesquisar, comprei quase próximo de ganhar minha filha, um dos melhores carrinhos do mercado. Um daqueles modelos “travel system” com moisés, cadeirinha, etc. Foi meu maior gasto e o que achava que seria meu melhor investimento.

Resumindo: ele me atendeu logo no inicio na função moisés com ela ainda nos primeiros dias…depois que ela cresceu o carrinho se tornou um martírio para ela – e para mim que tenho que guardar aquele trambolho – e até hoje ela se recusa a andar nele por muito tempo.

Creio que se eu tivesse gasto com um daqueles modelos mais simples teria sido muito mais feliz e ele me atenderia muito melhor.

3 – Presente especial

Ganhei de minha mãe uma infinidade de paninhos de boca e “enxugadores” que na minha opinião dariam pra serem repartidos para uns três bebês. Sim, paguei minha língua! Eu usei muuuuuuito (e ainda uso) todos eles. Nunca pensei que iria precisar de tanto paninho na minha vida.

Outro que foi super meu aliado foi o wrap-sling. Comprei 5 metros de dryfit e fiz dois deles. QUE COISA INCRÍVEL! Logo que a neném nasceu começamos a usar. Ela sentia muitas cólicas e era uma benção quando eu enroscava ela lá dentro.

Mother feeding her daughter

Fora a ajuda na hora de ir em uma padaria, supermercado, pegar um ônibus e até mesmo fazer alguma coisa dentro de casa. Com os braços livres e um bebê seguro encostado no seu peito nós ganhamos o mundo!

4 – Mala sem alça

Outro item que pode se transformar em uma furada é a bolsa do bebê. Com tantos modelos lindos no mercado fica difícil se decidir. O que não podemos nos esquecer é que quem vai usá-la somos nós mesmas e o modelo precisa ser o mais prático e leve possível, se for daqueles gigantes e cheio de penduricalhos tenha certeza de que apesar de linda, a bolsa se tornará um transtorno em pouco tempo.

5 – Sonhos ou Pesadelos?

E por ultimo e não menos importante: o berço! Depois de muuuito pesquisar, optei por um modelo “camping”. No quarto, Anita só dormiu umas três noites nele… Por aqui o que funciona é a cama compartilhada. Ele acabou sendo colocado na sala depois que nos mudamos e por lá ficou. O que adoro nele são as rodinhas e a facilidade dele ser transportado para outros ambientes.

Hoje, ele serve de “chiqueirinho” e creio que se eu tivesse optado por um modelo tradicional de madeira, teria me arrependimento amargamente. Bom, esses são alguns dos itens do enxoval que PARA MIM funcionaram ou não. A dica, para evitar gastos desnecessários, é realmente pesquisar produtos que vão se encaixar as suas necessidades e rotina. E é claro, sempre se valer do pressuposto que a mamãe sempre sabe o que é o melhor pro seu pimpolho.

Comments

Deixe um comentário