A primeira consulta no odontopediatra

    A primeira consulta no odontopediatra é muito importante na vida da criança, pois pode determinar como será sua posição diante de um tratamento odontológico para o resto da vida. Muitas vezes um primeiro contato desastroso pode causar traumas que, dependendo da idade e da personalidade da criança, pode dificultar muito futuros tratamentos.

    Vários fatores podem influenciar no sucesso desse primeiro contato. Para começar, a equipe odontológica (recepcionista, atendente de consultório e o odontopediatra) deve estar preparada para atender a criança desde o seu primeiro contato, ainda pelo telefone com os pais, passando pela chegada ao consultório até, finalmente, o atendimento na cadeira odontológica. O ambiente do consultório também deve ser agradável e adequado ao atendimento do paciente infantil.

    Já pelo telefone os pais devem passar dados importantes sobre a criança, como idade, personalidade, se é a primeira vez ao dentista, experiências anteriores boas ou ruins. Os pais receberão orientações sobre a primeira consulta, como por exemplo, o horário que melhor se adapta à rotina da criança, como falar com a criança sobre a consulta e, o mais importante, não passar seu medo ou ansiedade para o pequeno paciente.

    Muitos pais foram crianças traumatizadas por profissionais mal preparados no passado e acabam, mesmo que inconscientemente, passando esse medo e ansiedade para seus filhos. Por isso é muito importante que os pais transmitam à criança uma imagem diferente do tratamento odontológico e, mais importante ainda, transmitam confiança no profissional que vai atendê-la.

    Devemos ressaltar também que quanto mais cedo (ainda no primeiro ano de vida) a criança for ao consultório odontopediátrico mais fácil será sua adaptação ao tratamento e mais confiança ela terá no profissional que deverá atendê-la até que a mesma atinja a idade adulta.

    Resumindo, as reações da criança frente ao tratamento odontológico podem ser influenciadas por diversos fatores: idade da criança e seu nível cognitivo, características de temperamento, personalidade, ansiedade e medo, reação ao desconhecido, experiências prévias, ansiedade materna e outros. Caberá à equipe odontológica preparar os pais e receber esse novo e pequeno paciente da melhor maneira possível, tornando essa nova rotina uma “aventura” feliz e prazerosa.

    [sharethis-inline-buttons]