Amamentação sem rachaduras

    Há muitas gestantes que se preocupam em preparar o peito e o bico do peito para amamentar como forma de prevenir as fissuras/rachaduras, ou por terem ouvido comentários sobre bicos pequenos e invertidos, que não conseguem alimentar os bebês.

    Há muitas gestantes que se preocupam em preparar o peito e o bico do peito para amamentar como forma de prevenir as fissuras/rachaduras, ou por terem ouvido comentários sobre bicos pequenos e invertidos, que não conseguem alimentar os bebês. Algumas recebem orientação de profissionais de saúde para fazerem esfregaços com bucha vegetal ou toalha, passar escovas de dentes, usar loções, cremes, álcool e outros produtos. Há ainda as que fazem exercícios nos bicos dos peitos para preprará-los ainda na gestação.

    Vamos desmistificar isso tudo e aprender a evitar esses problemas?

    A amamentação não depende exclusivamente da preparação dos peitos, até porque a própria gravidez vai preparando as mamas para esse momento através da ação dos hormônios.

    Na aréola (a parte escura e redonda da mama), há algumas protuberâncias pequeninas, chamadas “Glândulas de Montgomery”. Elas têm a função de segregar uma oleosidade natural, que lubrifica a pele e inibe o desenvolvimento de bactérias, além de amenizar o atrito entre a boca do bebê e a aréola. Portanto, o uso de óleos, pomadas, loções ou cremes na aréola, é desnecessário por conta da própria natureza estar agindo a favor da mãe! Claro que sempre fica à critério da mãe usar ou não qualquer produto, porém vale esclarecer que não é necessário. Eles podem inclusive retirar a oleosidade natural, irritar e ressecar a pele da aréola.

    Em relação aos esfregaços (seja com o que for: toalhas, buchas, esponja, etc) podem predispor a aréola a dores e lacerações, tornando-a até mesmo mais fina, delicada e sensível. Vale lembrar que além de ser desnecessário, não há nenhum dado científico demonstrando que a aréola se torna “calejada” para suportar a sucção do bebê com esse procedimento. O número de mães que preparam as mamas e apresentam fissuras, demonstram também que esse “preparo” não é suficiente para evitá-las.

    Como prevenir as temíveis rachaduras nas mamas?

    Seguem aqui alguns conselhos práticos:

    1. Tomar banho com sabonete, lavando as mamas naturalmente;
    2. Tomar banhos de sol nas mamas no período da manhã ou no final da tarde;
    3. As mães que possuem as mamas muito sensíveis podem após o banho secar a região da aréola de forma mais vigorosa, com o objetivo de deixar essa área menos sensível para quando for amamentar;
    4. Na maioria dos casos, posicionar o bebê de forma correta evita (e muito) as fissuras. E o que é uma pega correta da mama? É quando o bebê fica todo alinhado, totalmente virado de frente, fazendo com que sua barriga esteja TOTALMENTE virada para a barriga de sua mãe. A boquinha dele fica bem aberta, pegando uma boa parte da aréola ou ela toda (se for pequena). O queixo do bebê bem encostado na mama (o lábio inferior dele costuma ficar virado para fora, tipo boquinha de peixe);
    5. Não interromper a mama tirando o bebê abruptamente. Se tiver que fazê-lo, colocar o dedo mínimo suavemente na canto da boquinha e pressioná-lo levemente, introduzindo ao mesmo tempo o dedo;
    6. Evitar apertar a aréola com os dedos (tipo tesoura: dedos indicador e médio). Isso é feito porque muita mãe tem medo do bebê não respirar, mas essa atitude pode dificultar a pega do bebê no ato da mamada. Além do mais, a natureza é sábia: o nariz do bebê é bem flexível e se adapta à anatomia da mama (caso ele se sinta sufocado, buscará meios de respirar);
    7. Evitar dar o peito muito cheio (ordenhar antes da mamadas facilita a pega do peito feita pelo bebê).

    Estou com fissuras nas mamas, como posso tratá-las?

    As fissuras geralmente podem ocorrer por:

    1. Pega do peito feita pelo bebê de forma incorreta: enquanto não se corrige a pega do peito, as fissuras não cicatrizam e não são evitadas;
    2. Mamas muito cheias: dificultam a pega correta do peito;
    3. Cândida (monilíase/sapinho): a mãe fica com o peito vermelho, coçando ou apresentando fisgadas. Na boca do bebê são visualizados pequenos pontos brancos, e ele pode ficar irritado na mamada (tratar a cavidade oral do bebê e a aréola conforme prescrição médica).

    Para tratar das fissuras:

    1. O 1º passo é posicionar o bebê corretamente na mama da mãe (enquanto ele não estiver bem posicionado como descrito acima, a fissura demora a cicatrizar e podem até surgir outras);
    2. Parar de usar sabonetes, cremes ou pomadas no mamilos. Lavar as mamas no banho sem o uso de sabonetes. Dependendo da pomada usada para ajudar na cicatrização das fissuras, elas podem abafar mais ainda as feridas, além de terem um gosto ruim, afetando a mamada, porque o gosto é percebido pelo paladar do bebê. No caso de usar alguma pomada, sugiro as que têm por base Lanolina ou, caso a mãe não possa adquirí-la, que retire bem a pomada antes das mamadas;
    3. Utilizar outras posições para amamentar: invertida, cavaleiro ou deitada, pois fazem com que o bebê pegue a mama de forma correta e sem dor;
    4. Expor os mamilos ao sol por 20 minutos (manhã ou final do dia). O sol tem um poder cicatrizante;
    5. Passar nos mamilos e aréola o leite materno (a gordura do leite ajuda na cicatrização);
    6. Nos casos graves, dependendo da extensão das fissuras, suspender a amamentação por 24 a 48 horas, pois ajudará na cicatrização mais rapidamente, porém esse peito deve ser ordenhado várias vezes ao dia;
    7. Evitar o uso de protetores de peito, usá-los somente quando for sair de casa, por exemplo. Quanto mais expostos e arejados, melhor para cicatrizar;
    8. Evitar o uso de conchas mamilares, pois também abafam o bico do peito, deixando-os úmidos, e a umidade não favorece a cicatrização;
    9. Evitar o uso de bicos de silicone, pois interferem negativamente no estabelecimento da amamentação. Pode levar à diminuição da produção do leite materno e em alguns bebês causar confusões de bico, que podem levar ao desmame precoce (por conta do bebê habituar com o tamanho do bico de silicone, ele estranha o de sua mãe);
    10. Não usar receitas caseiras que possam conter produtos contaminados nas fissuras em hipótese alguma (cascas de banana e mamão, etc). As fissuras são portas para a entrada de bactérias, que podem levar à mastite, inflamação das mamas.

    A amamentação é um aprendizado. Aprende-se a cada dia, como um carinho a cada passo!