Como ensinar seu filho a fazer amigos

    Seu filho pequeno não sai do seu lado? Você tenta enturmá-lo na pracinha ou no clube, mas não adianta? Se continuar assim, ele vai crescer com a dificuldade de fazer amigos e pode se tornar um adolescente, e até um adulto, isolado.

    ?Não adianta impor aos filhos a obrigação de fazer amigos. É preciso lidar com isso com naturalidade, é um processo longo, mas que vale a pena?, analisa a psicóloga Lélia Reis.

    ?Amigos servem para mostrar às crianças que existem outras formas de afeto além da família. Isso traz independência e ajuda no desenvolvimento?, completa a psicóloga. Ensinar seu filho a fazer amigos vai ajudá-lo a entender o que é solidariedade e cooperação, e vai fortalecê-lo como pessoa. Além disso, evita o bullying (comportamento agressivo entre estudantes). ?Como sempre, o melhor ensinamento é o limite, fundamental para que ele entenda que deve respeitar o espaço do outro e, assim, fazer e cultivar amigos?, resume Lélia.

    O empurrãozinho que faltava…

    A psicóloga Lélia Reis dá dicas para ajudar a criança a ter uma vida social saudável:

    · Respeite o jeito do seu filho. Se ele é mais quieto, não o force a ser cheio de amigos e comunicativo. Ele pode ser reservado e ter poucos amigos, mas estar feliz assim.

    · Não projete nele suas experiências. Ele não tem que ser o mais popular da escola só porque você se sentia rejeitada quando era pequena.

    · Estabeleça limites. Ou ele pode se tornar um adulto chato que quer tudo sempre do jeito dele.

    · Ensine-o a respeitar as diferenças e a nunca julgar as outras pessoas.

    Timidez além do limite

    É hora de ajudar seu filho (conversando, pedindo apoio da escola ou até com a ajuda de um psicólogo) se ele apresentar alguns dos problemas abaixo quando está rodeado por muitas pessoas:

    · Mostra aversão pelas pessoas à sua volta.

    · Fica muito incomodado.

    · Chora compulsivamente.

    · Fica ansioso demais.

    Faça o melhor para seu filho ser sociável e cultivar boas amizades!

    Fonte: MdeMulher