Cuidado com a superproteção

    O bebê ainda nem nasceu e sua casa já está abarrotada de sabonetes bactericidas e muitos tubos de álcool em gel? Vá com calma! A superproteção pode atrapalhar o desenvolvimento do seu pimpolho

    O bebê nem nasceu e sua casa já está abarrotada de sabonetes bactericidas e muitos tubos de álcool em gel? Vá com calma! A superproteção pode atrapalhar o desenvolvimento do seu pimpolho

    Olá queridos leitores do Carinho a Cada Passo! Hoje venho falar sobre a saúde do bebê.

    Se você ainda está grávida e já equipou sua casa e o quarto do neném com sabonetes bactericidas e supertubos de álcool em gel, cuidado! A formação da MICROBIOTA¹ intestinal do bebê terá reflexos na saúde dele por TODA A VIDA!

    Estudos mostram que crianças que nascem de parto normal e são amamentadas ao seio, desenvolvem uma microbiota mais saudável e adoecem menos! Por outro lado, aquelas que são superprotegidas desde o nascimento, criados em ambientes quase esterilizados, adoecem mais e desenvolvem mais alergias, inclusive alimentares!

    Alguns estudos chegam a correlacionar muitas doenças ao “primeiro filho”, por ser este, geralmente, o mais protegido. Claro que é importante lavar as mãos antes de pegá-lo no colo, evitar visitas gripadas, etc. Mas cuidar para que isso não seja em excesso, é muito importante.

    Por isso, fuja da tentação de esterilizar a casa toda, lavar as mãos com sabonetes bactericidas a cada 5 minutos e colocar uma caixinha de pro-pés de centro cirúrgico na porta da casa!

    Sei que a ansiedade é grande e que queremos proteger a todo custo essa coisa linda que acabou de sair do nosso útero! Também já passei por essa fase… Mas, na dúvida, converse com seu pediatra, tenha bom senso e equilíbrio!

    Até mais!

    *Texto retirado da fanpage da autora no Facebook
    **Andreia mantém o blog Nutrição Materno Infantil

    ¹Microbiota: O corpo humano é habitado por uma quantidade enorme de micro-organismos, os quais se distribuem por vários de nossos órgãos e tecidos. Calcula-se que o número de simbiontes microbianos presentes no corpo humano seja da ordem de 100 trilhões, número este que é 10 vezes maior que a quantidade de células do próprio corpo humano. Esses micro-organismos influenciam o nosso sistema imunológico, a nossa resistência aos patógenos e o aproveitamento dos alimentos.
    Fonte: Unesp