Cuidados básicos na primeira infância influenciam o desenvolvimento neurológico do bebê

    Os primeiros dois anos e meio de vida são muito importantes para o desenvolvimento da criança, sabia? Dá uma olhada!

    Você sabia que os primeiros dois anos e meio de vida de uma criança são muito importantes para o seu futuro?

    Segundo especialistas, a forma como os pais cuidam dos bebês pode interferir na capacidade que eles terão para realizar algumas funções, como coordenação motora, reconhecimento de objetos, voz e sons, interpretação e leitura, entre outras habilidades.

    Assim, se preocupar desde cedo – inclusive durante a gravidez – com a alimentação, com os vínculos familiares e com atividades que estimulem o afeto, a criatividade e os sentidos dos pimpolhos são muito importantes para melhorar o desempenho neurocognitivo da criança.

    A pediatra e assessora da presidência da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Rita de Cássia Ferreira da Silva, explica que esses estímulos, tanto dos genes como do ambiente, já começam na barriga da mãe.

    “O cuidado e o padrão que se tem de uma gestação são fundamentais. Além disso, fatores como a qualidade do aleitamento materno, o vínculo, a estruturação familiar em nível socioeconômico, o tempo que a mãe ou o cuidador principal tem para a criança fazem diferença no futuro dela”, ressalta.

    Para cada idade do bebê espera-se que ele aprenda alguma habilidade nova. Mas é somente depois que estiver dominando bem uma aptidão que ele vai passar para a próxima. Por exemplo, primeiro o neném precisa firmar a cabeça para depois sentar sozinho, e depois engatinhar para, enfim, andar.

    Esse processo de aprendizagem é contínuo e depende da individualidade de cada criança e dos estímulos que ela recebe, e envolve memória, linguagem, visão, coordenação motora, pensamento, interação com pessoas e objetos, reconhecimento de vozes e sons. Por isso, cada pimpolho se desenvolve no tempo dele.

    Brincar com o bebê, conversar com ele, estimular com brinquedos e objetos próprios para cada idade, colocar música para ele ouvir, deixar que ele explore o ambiente que o circunda, as cores, luzes e sons são atividades que despertam na criança a curiosidade e a vontade de aprender.

    Um dos aspectos importantes nesse período é incentivar a leitura. Mesmo que o filho não entenda as palavras, os pais devem investir um tempo nisso. Estudos mostram que essa prática prepara os pequenos para a escola e cria uma conexão entre o aprendizado e a leitura.

    Se você já faz tudo isso, não se esqueça de também investir no amor e no carinho. “No primeiro ano é o afeto, vínculo e apego. A criança transmite sinais daquilo que ela quer e a família tem que saber reconhecer esses sinais e entendê-los. Já as habilidades para resolver problemas e a sociabilização são percebidas no segundo ano de vida”, completa Rita.