Desenvolvimento infantil: ajudar nas tarefas em casa é bom

    Delegar pequenas tarefas aos pimpolhos desde cedo estimula a independência, a confiança e a sensação na criança de que ela é útil

    Delegar pequenas tarefas aos pimpolhos desde cedo estimula a independência, a confiança e a sensação na criança de que ela é útil

    A chegada de uma criança aumenta e muito as tarefas domésticas. Quem já tem filhos sabe bem do que estamos falando. E, conforme o bebê cresce e se desenvolve, os objetos espalhados pela casa – atividade muito divertida e importante para ele – fazem esse trabalho ficar ainda maior.

    Que tal aproveitar que seu pimpolho está crescendo para começar a delegar a ele – de forma bem branda e sem rigor – algumas tarefinhas simples? De acordo com a psicóloga e colaboradora do Carinho a Cada Passo Talita Medeiros, pequenas tarefas fazem com que a criança ou bebê (a partir de dois anos) se sinta útil e capaz de produzir algo que a família irá usufruir. O que, para eles, é uma sensação maravilhosa.

    “Os pais só devem ficar atentos à forma como essas tarefas serão introduzidas e se a criança será capaz de executá-las, para que não seja benéfico apenas para eles. O que possivelmente trará um sentimento de frustração para os filhos, já que eles ainda não estavam preparados para tal”, alerta Talita.

    Reconhecer os limites

    Por isso, é importante reconhecer os limites dos pequenos e saber para que tipo de tarefa eles estão preparados. “É como uma mãe que convida a filha para vê-la arrumar a mesa, e, posteriormente, passa a pedir sua ajuda. Isso cria na criança a sensação de ser útil e de que ela é capaz de produzir algo de bom. Então, ver a família comer sob a mesa que ela arrumou, passa a ter um gostinho a mais. O mesmo acontece com o bebê que é convidado a arrumar seus brinquedos. Ele percebe que sua ajuda deixa a mamãe contente”, ressalta a psicóloga.

    E, conforme a criança vai assimilando e incorporando cada tarefa ao seu dia a dia, é possível delegar a ela atividades mais complexas. Porém, sempre com muito cuidado e moderação no rigor.

    “Tudo em excesso na vida é danoso. Temos visto bebês e crianças com agendas lotadas de atividades extracurriculares onde já não há mais tempo para ser criança e brincar. Esse tempo é precioso para a formação de um adulto saudável. Por isso, essas tarefas devem ser dosadas e adequadas a este tempo. Os pais precisam perceber as limitações de cada fase. A sugestão é, inicialmente, convidar a criança e fazer junto dela, para saber se ela terá recursos suficientes para fazer sozinha depois”.

    Afinal, além de ajudar em casa, a ideia principal é estimular a independência, a confiança e a sensação de se sentir útil nos pimpolhos.

    Talita explica que crescer com essa cultura faz com que os pimpolhos sejam adultos seguros de suas capacidades e, consequentemente, mais corajosos para buscar a independência, e mais comprometidos com determinadas responsabilidades.

    Para te ajudar, preparamos uma tabelinha com tarefas que normalmente são indicadas para cada idade. Aproveite e ajude seu pimpolho a ser um adulto independente e responsável!