Dicas para ter sucesso na alimentação complementar

    A alimentação complementar é muito importante para o desenvolvimento do bebê, mas é preciso escolher direito cada comidinha nessa nova fase. Separamos umas dicas pra você!

    A alimentação complementar é um período de extrema importância na vida dos bebês, pois é quando eles vão começar a desenvolver seu paladar.

    Geralmente, começamos a oferecer papinha ao bebê a partir dos 6 meses, para os que mamam no peito, podendo ser um pouco antes para os alimentados por *fórmulas (cada caso deve ser avaliado individualmente*).

    Claro que cada caso é um caso, e deve ser sempre avaliado individualmente pelo nutricionista ou pediatra da criança, mas como recomendação geral, iniciamos a alimentação complementar com uma frutinha de manhã, alguns dias depois, uma frutinha à tarde (esse processo pode acontecer de várias maneiras diferentes) e finalmente a papinha salgada (atualmente usamos o termo papinha principal).

    Nessa fase, é importante que o bebê conheça os alimentos da maneira mais natural possível. Por isso, cozinhe os ingredientes sem adicionar sal.

    Não recomendamos o uso de suquinhos (nem o de laranja lima), para bebês menores de 1 ano, entre outros motivos, porque eles têm alto índice glicêmico (aumentam rapidamente a glicose no sangue), alta densidade calórica, dificultam a aceitação da água, diminuem o interesse pela mastigação, etc.

    Mesmo para os maiores, adotamos como primeira escolha a fruta e água, além, é claro, do leite materno para os amamentados.

    Liquidificador?

    A consistência é outro fator fundamental para preparar a papinha do seu bebê. Não se deve bater os ingredientes no liquidificador ou peneirar os alimentos, pois isso irá dificultar a familiarização da criança com as texturas e pode tornar o processo de evolução da alimentação complementar mais difícil.

    O ideal é que, no inicio, se amasse muito bem todos os alimentos com o garfo e vá evoluindo a textura com o tempo até chegar a dos alimentos em que a família come normalmente. Para os que mamam no peito, o objetivo é que aos 10 meses a criança esteja apta a se alimentar com a comida habitual da família (saudável, é claro)!

    Para os alimentados com fórmulas, isso pode acontecer um pouco antes, de acordo com o desenvolvimento e amadurecimento da criança, por isso, temos que gradativamente, evoluir tanto na consistência, quanto no sabor da comidinha dele.

    Para facilitar a adesão do seu filho a novos alimentos, é importante que ele tenha contato com o que está comendo, por isso não se desespere caso ele toque o alimento com as mãos ou algo assim, isso é muito importante nessa fase (claro que sempre com a sua supervisão).

    E quanto ao sal da papinha salgada? A partir de quando posso adicionar sal? A recomendação é que só por volta do nono mês de vida, acrescente pequenas pitadinhas de Sal Marinho ou Sal Rosa do Himalaia ou Sal grosso com ervas (são os que geralmente indico).

    Você encontra algumas dicas de como montar e preparar as papinhas no post “Papinha é coisa séria” que escrevi lá no meu blog.

    Beijos a todos! Até a próxima ♥

    *Post publicado também em Nutrição Materno Infantil