Fases do bebê: um parto inesperado e Giuseppe veio ao mundo

    Amigas do blog,

    Quanto tempo né? Tenho tanta coisa para contar…

    No dia 19 de setembro, fui fazer minha última ultrassonografia: Giuseppe estava com 3,7kg e tudo estava normal. Levei meu exame para a dra. e agendamos o parto para dia 22 de setembro pela manhã. Tudo estava arrumado e eu super feliz. Avisei a todo mundo! Fui dormir super tranquila, mas exatamente a 00:02h do dia 20 de setembro senti uma dor muito forte, mas pensei: deve ser a contração falsa que dizem que sentimos de vez em quando. De qualquer maneira, marquei o horário e esperei, mas dez minutos depois, veio a segunda dor ainda mais forte. Acordei meu marido e falei com ele que estava sentindo dores. Ele falou para eu tentar dormir virada para o outro lado, me virei e aguardei. Dez minutos se passaram e a dor voltou. Daí tive a certeza: estou tendo contrações e em trabalho de parto. Chamei meu marido e achamos melhor irmos ao pronto socorro. E no que me levanto da cama, a bolsa estoura! Desceu bastante água, daí tivemos a certeza: Giuseppe estava chegando.

    No caminho para o hospital, liguei para o Criobanco e avisei que estava em trabalho de parto e a caminho da maternidade. Também tentei falar com minha médica, mas o celular dela não atendia. Liguei para meus pais e avisei a situação. Foram todos para a maternidade. Chegamos lá e ficamos mais de meia hora para falarmos com a minha médica. Quando conseguimos nos comunicar, ela pediu que me internasse com urgência.

    Nunca passei por aflição tão grande. Entrei na sala de parto e aguardei mais ou menos de 30 a 40 minutos. Me colocaram no soro, a enfermeira do Criobanco coletou amostra do meu sangue e nada do anestesista e da minha médica. Daí que surge o pediatra de plantão e o anestesista. Tomei aquela agulhada, que realmente não dói, mas te dá uma sensação ruim porque você não sente mais suas pernas, sentimento de invalidez. Desta parte não gostei. Mas finalmente os médicos chegaram e iniciaram a cesárea. Não demora mais de 10 minutos e escuto o chorinho do meu pequeno: Giuseppe nasceu! Às 02:43h do dia 20 de setembro de 2011 pesando 3,97kg e medindo 53cm. É a MAIOR emoção que uma mulher pode sentir quando o pediatra leva o bebê até você. Mas, no meu caso, foi muito rápido porque Giuseppe nasceu com uma pequena dificuldade em respirar. Meu coração acelerou e fiquei super preocupada e nervosa quando recebi esta notícia do pediatra. Ele simplesmente falou: “Seu bebê está com uma pequena dificuldade em respirar e com isso ele não vai para o quarto com você. Precisaremos levá-lo para a UTIN para termos um diagnóstico melhor”. Pronto, quase morri de tanto chorar em saber que depois de um pré natal todo em ordem, meu pequeno ainda iria sofrer. Foi uma sensação horrível que não desejo a ninguém. Você volta para o quarto sem o casino seu bebê, inexplicável o que senti naquele momento.

    Assim que cheguei ao quarto, vi no rosto da minha família que alguma coisa não estava normal. Queria poder ter forças para me livrar da anestesia e correr até a UTIN para saber como Giuseppe estava. Mas a anestesia era muito forte e durava algumas horas. Foi aí que o pediatra apareceu e nos contou com detalhes o que estava se passando. Giuseppe nasceu com uma pequena dificuldade em respirar porque engoliu um pouco do líquido amniótico e também foi levantada a questão da cardiopatia. Como não podia me movimentar, meu marido foi com o pediatra até a UTIN para vê-lo. Giuseppe estava lá com seus 3,97kg dentro de um bercinho de UTIN com soro glicosado e com um aparelho para ajudar na respiração. Graças a Deus, tudo não passou de um susto: foi descartada a cardiopatia e ele reagia bem. No mesmo dia pela manhã, a pediatra da UTIN nos avisou que a respiração dele já estava normal e que tirariam o aparelho. Pulamos de alegria porque faltava pouco para Giuseppe ir para o quarto, junto de sua família. Todos os horários que podia visitá-lo eu fui para tentar amamentá-lo, mas devido a toda esta turbulência eu simplesmente não tive leite materno para amamentar nestas primeiras horas, e ele teve que receber o complemento. Mas não desanimei, só o fato de saber que seu filho estava fora de perigo já te deixa muito aliviada e feliz.

    No período em que ele ficou na UTIN, tive também o prazer de dar o primeiro banho com o auxilio de um enfermeiro. Foi emocionante porque nunca imaginei que conseguiria. Cuidei do coto umbilical e coloquei a roupinha nele… momento mágico! Estas 48 horas em que passei visitando meu pequeno na UTIN me fez relembrar todos os momentos de minha gravidez e me questionar o que eu teria feito de errado. Pensava: quantas mulheres não possuem auxilio em seu pré-natal e dão a luz a filhos perfeitos Quantas mulheres que carregam em seu ventre um ser tão especial e o abandonam no momento em que eles mais precisam de nós… Rezei e pedi muito ao meu Deus luz, força e sabedoria para enfrentar todos os obstáculos que viriam pela frente, porque só Ele quem pode nos confortar. Mas ao final destas horas intermináveis, veio a frase que mais queria ouvir: seu filho está ótimo e vai receber alta. E, finalmente, no dia 22 de setembro, recebemos alta.

    Bem amigas, os primeiros momentos de vida do meu Giuseppe foram difíceis, mas com a benção de Deus, ajuda de todos com suas orações e a determinação do meu pequeno, conseguimos vencer. Boa semana a todos! Na próxima, continuo contando mais sobre os primeiros dias de Giuseppe em casa com sua família.

    [sharethis-inline-buttons]