Gravidez: um turbilhão de emoções

    Só mesmo estando grávida para entender o bombardeio de emoções que ocorrem nesses nove meses que antecedem a chegada do bebê. Uma mistura de felicidade, medo, mudanças corporais, preocupação, ocupação marcam esta fase tão plena da mulher. Li, gostei e quis compartilhar com vocês, minhas companheiras de gestação!

    “A gravidez traz diversas transformações e mudanças emocionais. Os hormônios sexuais exercem efeitos definidos no nosso organismo, pois as grandes mudanças nos níveis de estrogênio e progesterona podem interferir no psicológico das grávidas. A mulher pode perceber que está grávida bem antes da confirmação pelo exame clínico e até mesmo antes da data da próxima menstruação, pois a mulher consegue captar inconsciente a transformação corporal que assinala a presença da gravidez. Porém há mulheres que só descobrem que estão grávidas no quarto ou quinto mês de gestação porque tem pouca sintonia com o seu próprio corpo e negam a existência das transformações da gestação.

    A partir disso, a gravidez inicia uma formação da relação materno-fetal, se instalando uma vivência básica da gravidez. Ainda podemos verificar grandes mudanças interpessoais e intrapsíquicas. No primeiro trimestre da gravidez os primeiros sintomas são náuseas e vômitos. Há também o aumento de apetite que às vezes atinge graus de extrema veracidade com o consequente aumento de peso. Ocorrem também as oscilações de humor. Ambos estão relacionados com as alterações do metabolismo.

    O aumento da sensibilidade também está relacionado com estas alterações, havendo maior sensibilidade nas áreas do olfato, paladar e audição, além das mudanças na área emocional, tendo em vista que com o aumento da irritabilidade a mulher fica mais vulnerável a certos estímulos externos que antes não a afetava tanto e, com isso, a mulher chora ou ri com mais facilidade.

    O segundo trimestre é considerado um dos mais estáveis durante toda a gestação, mas o impacto dos primeiros movimentos fetais é um fenômeno que faz com que a mulher sinta aquilo como uma realidade concreta dentro de si com características próprias. Já no terceiro trimestre, o nível de ansiedade da mulher tende a se elevar novamente, pois com a proximidade do parto e também da mudança da nova rotina após a chegada do bebê, a mulher tende a ficar ainda mais ansiosa. Mas, se a gravidez é considerada um período de maior vulnerabilidade da parte da grávida, o parto também pode ser considerado como um momento crítico que marca o início de uma série de mudanças significativas na vida da mãe e também do pai. O parto é considerado um momento crítico por várias razões, entre elas estão: situação de passagem de um estado a outra com a característica de irreversibilidade, ou seja, uma situação que precisa ser enfrentada de qualquer maneira, contribuindo para o aumento da ansiedade e de insegurança, devido à proximidade da data prevista e a incapacidade de saber como tudo isso vai se desenrolar”.

    Por que depois que engravidei fique tão sensível?

    Pela manhã você está bem e pela tarde começa a chorar ou está muito nervosa? Bem-vinda ao clube das mulheres grávidas! É muito comum ter mudanças repentinas de humor, você está mais sensível e suas emoções estão à flor da pele. Acredita-se que a mudança hormonal tem parte de culpa nesse processo principalmente devido a um hormônio chamado PROGESTERONA, aquele mesmo causador das TPMs, mas o maior motivo para a sua sensibilidade é devido ao conjunto de mudanças que estão ocorrendo com você. Você pode se sentir como a pessoa mais feliz do mundo por estar a caminho de ser mãe e, então, pensar em como vai lidar com essa situação e que tremenda responsabilidade é essa.

    A gravidez é uma mudança permanente em sua vida e, mesmo em uma gravidez que foi planejada durante anos, é difícil uma futura mamãe não se preocupar em como será o seu desempenho, se ela vai conseguir fazer o seu filho feliz e ser uma mãe sábia. E também tem as preocupações com o seu casamento (ou com o seu não-casamento). É complicado, mil e uma coisas vêm à mente, isso para não mencionar já o seu estado físico: o seu corpo mudando – ficando cada vez mais redondo. Meu Deus! Mas ainda bem que esses sentimentos vão se acalmando após as 12 primeiras semanas de gravidez conforme a mulher vai “aceitando” melhor o fato e vendo que agora não tem volta e que, seja como for, ela vai tentar de tudo para fazer o melhor por esse filho.

    Como lidar com essa sensibilidade emocional?

    A princípio não se sinta culpada por estar tão sensível e não tenha medo de se expressar. Se você quer rir, então ria. Se quer chorar, então chore. Só tome cuidado para não assustar quem estiver à sua volta. Ter os seus altos e baixos faz parte da gravidez e é bom que quase todo mundo já sabe disso, assim fica mais fácil para você de se expressar. Se você estiver se sentindo muito pra baixo. Não fique amuada e nem sozinha. Ligue para alguém para conversar, vá a cidade olhar lojas, chame alguém para ir ao cinema, enfim, procure se distrair e se alegrar. Se frustrar e não querer ir para lado nenhum não vai ser melhor para você. Saiba que seu bebê pode sentir a sua tristeza ou a sua alegria. Se você estiver triste, deixe que esse seja um momento passageiro.

    E curtam muito cada momento dessa fase única e inesquecível nas nossas vidas!

    [sharethis-inline-buttons]