Hora de ir para a creche

    O ritmo de vida que adotamos hoje muitas vezes obrigam mães e pais a se afastarem dos filhos pequenos, para voltar as suas atividades e reassumir funções de trabalho. Neste momento, surge a indecisão de qual é a melhor opção: colocar ou não a criança numa creche e também a culpa por se afastar do pimpolho, que ainda demanda de tantos cuidados.

    Por se tratar de uma decisão importante, é preciso pensá-la com calma e avaliar qual a melhor opção de creche, que forneça toda a estrutura para garantir a saúde e o bem-estar da criança, e também a melhor forma de realizar esta mudança, de forma a vivenciá-la de maneira saudável, tanto para os pais quanto para a criança. É importante que os pais realizem esta escolha com cuidado, pois a partir do momento que estes se sentem seguros com a mudança se torna mais fácil ajudar o filho neste processo, apoiando e transmitindo segurança no novo desafio.

    Para que a ida à creche ocorra desta forma, apesar da culpa que alguns sentem, é importante pensar nos pontos positivos desta mudança, pois como todas as transformações, esta envolve ganhos e perdas e, se planejada com calma, pode fornecer vivências importantes, construtivas e agradáveis para a criança, que compensa a ausência temporária dos pais. Isso porque a creche pode ser um importante espaço de socialização. Saindo do universo exclusivamente familiar e entrando em contato com outras crianças da sua idade, e outros adultos responsáveis pelo seu bem-estar, a criança começa a construir novos laços afetivos e sociais, o que enriquece a suas vivências nestes primeiros anos de vida, favorecendo o desenvolvimento da sua autoconfiança, independência, adaptabilidade e habilidades de socialização.

    Portanto, é importante que a família perceba que todos os momentos, mesmo que complexos, podem trazer ganhos tanto para a criança quanto para os pais, desde que o processo seja conduzido com cuidado e carinho, e que procurem sempre notar as potencialidades de cada vivência da vida da criança.