Introdução de novos alimentos após seis meses

    A Organização Mundial de Saúde recomenda que a criança receba aleitamento materno exclusivo até os seis meses de idade. A partir daí, ocorre a introdução adequada de outro alimento, junto com a amamentação, se possível. Digo isso porque ainda existem mães que precisam voltar ao trabalho e a amamentação fica somente para a parte da manhã e noite.

    Sendo assim, a idade ideal para a introdução dos alimentos se dá dos quatro aos seis meses de idade, quando apenas o leite materno (ou a volta ao trabalho da mãe) passa a não ser mais suficiente para suprir todas as necessidades nutricionais da criança. Nessa idade também começam a surgir os primeiros dentinhos. Os nervos e músculos da boca estão suficientemente desenvolvidos para começar a morder e a mastigar, o aparelho digestivo está preparado para receber outros alimentos e os movimentos feitos na mastigação irão ajudar muito na articulação das primeiras palavras.

    Se o bebê mostra interesse pela comida das outras pessoas, consegue segurar a cabecinha e se sentar com suporte, levanta a cabecinha quando deitado de barriga para baixo, começa a colocar coisas na boca ou parece continuar com fome após a mamada, podem ser introduzidos novos alimentos a partir de quatro meses.

    Os alimentos sólidos (amassados com garfo) devem ser introduzidos um de cada vez e gradativamente. É importante oferecer um alimento só de cada vez, pois se a criança apresentar intolerância ou alergia, será fácil identificar e procurar seu pediatra para relatar o caso. Introduza um alimento novo a cada 3, 4 ou 5 dias. Uma vez que o alimento foi testado e tolerado, tenha calma: no início, a criança come pouco, faz careta – porque o gosto é novo para ela- e pode colocar o alimento para fora várias vezes. Mas isso acontece porque ela ainda não tem o controle sobre a língua e não porque ela não gostou. Se ela virar a cabeça ou fechar a boca, pode ser um sinal que seu filho ainda não esteja pronto para aquele alimento. Então, não o force. Ofereça novamente após alguns dias.

    É importante que a criança coma sempre com mais pessoas por perto, isso o incentivará a experimentar novos alimentos. Pode iniciar o desmame introduzindo suco e papa de frutas. Não use açúcar e/ou mel para adoçar os alimentos. O açúcar pode causar infecções intestinais porque o intestino do bebê ainda não está totalmente formado e o mel pode estar contaminado (leia matéria do Dr. Bactéria do Fantástico sobre a contaminação do mel e a proibição de dar mel para crianças).

    As frutas devem ser bem lavadas e raspadas ou amassadas com o garfo. Introduza a papa salgada uma ou duas semanas após a introdução das papinhas de frutas, na hora do almoço. Ofereça inicialmente uma papa (mandioquinha, abobrinha ou cenoura) em pequenas quantidades. Após alguns dias, acrescente a carne, gradativamente.

    Após acostumar com o gosto salgado, a papinha pode conter até quatro tipos de tubérculos e raízes (batata, aipim, macarrão, inhame, mandioca, batata baroa). Coloque também legumes e verduras (couve, espinafre, cenoura, chuchu, abobrinha, abóbora madura) para fornecer à criança vários tipos de vitaminas e minerais.

    As carnes são fontes de proteína (para construir tecidos), ferro e zinco. Pode ser frango sem pele, peixe e carne bovina magra. Fritura não pode. A gema do ovo pode ser bem cozida, a clara aguardar um pouco para oferecer mais tarde, quando a criança estiver com uns oito meses de vida.

    Esquema para as mães que trabalham:

    Manhã: leite materno

    Lanche da manhã: papinha fruta amassada

    Almoço: papinha salgada

    Lanche da tarde: papinha de fruta

    Janta: papinha salgada

    Ceia: leite materno

    A mãe deve observar as reações da criança aos novos alimentos. Por exemplo, se ele ficar com uma cor amarelada, pode ser que ela esteja comendo muitos alimentos como cenoura e mamão. Sendo assim, diminua a oferta destes alimentos para a cor voltar ao normal. Se isso não ocorrer, consulte seu pediatra.

    Cuidado também com o leite de vaca. A criança tem uma quantidade de enzima lactase muito baixa e isso pode causar intolerância ao leite, podendo deixar o intestino irritado e causar diarreia ou ressecamento das fezes, além de gases e dores de barriga. Este tipo de leite só deve ser oferecido com a autorização da pediatra.

    É bom lembrar às mamães ou às cuidadoras que é preciso muita paciência e amor para introduzir os novos alimentos. Ofereça mais de uma vez e tenha calma. Não force a criança. Crie um ambiente feliz e calmo para as refeições! Tudo em família é mais legal!