Mães na rede: como usar as redes sociais para ajudar na criação

    Há 25 anos, a principal referência das mamães de primeira viagem era a mãe (e futura avó), assim como as tias, sogras, vizinhas, colegas de trabalho e outras mulheres que já tinham passado pela gestação. Hoje, a internet já é uma das principais parceira na hora de tirar dúvidas ou dividi-las com outras mães

    Até meados dos anos 1990, a principal referência das mamães de primeira viagem era a mãe e futura avó, assim como as tias, sogra, vizinhas, colegas de trabalho e outras mulheres que já tinham passado pela gestação. Hoje esse círculo aumentou. As trocas de experiências, inclusive as mais específicas possíveis, ganhou uma aliada que pode te conectar até mesmo a quem está do outro lado do mundo: a rede social.

    Além de gestação, amamentação, cólicas, choro na madrugada e criação em geral, que são as dúvidas mais comuns, agora é possível ampliar a troca de experiências e se conectar com o mundo todo e com mães que passaram ou ainda passam por situações que podem ser parecidas com a sua. Afinal, a cada dia, a medicina avança mais e os exames mostram cuidados cada vez mais específicos que devemos tomar com nossos pimpolhos, como alergias, restrições alimentares, entre outras situações.

    Lógico que não se pode abandonar o pediatra, mas as dicas e vivências trocadas são essenciais para o bem estar do bebê. No Facebook, por exemplo, há diversos grupos de mães, divididos por situações, fases, cidades e tudo mais que você imaginar. Não achou que algum deles serve para você? É simples, crie um e convide outras mães em outras páginas ou grupos.

    Há casos bem gerais, como o grupo “Agora que sou mãe”, que conta com mais de 6 mil membros de todo o Brasil. “Esse grupo é pra todas aquelas que são mamães agora e na maioria das vezes não tem com quem compartilhar algumas dúvidas ou momentos”, diz a descrição do grupo, que atualmente conta com nove administradoras.

    Caso você se sinta constrangida em compartilhar alguma situação específica de seu bebê, não se iniba, em algum lugar da rede há alguém passando pelo mesmo momento. Casos específicos também encontram abrigo, como é o caso do grupo “Mãe de Crianças Superdotadas.” O grupo é fechado, para que as pessoas tenham mais liberdade de expressão, explicam as criadoras.

    Se você ainda não engravidou, mas sonha com esse momento, também há quem possa te ajudar. O grupo “Eu curto ser mãe”, que reúne mais de 22 mil pessoas, é destinado às “tentantes”, gestantes e mamães. Além das mamães trocarem experiências, elas ajudam àquelas que estão tentando engravidar com boas dicas.

    Assim como o Facebook, diversos blogs também ajudam no bate-papo virtual entre as mamães. Como é o caso do Carinho a Cada Passo! \o/ Esse cantinho da Pimpolho que é preparado com muito carinho e com um time de profissionais de primeira, que você já conhece.

    Mas se você é apaixonada por blog e não abremão de ouvir opiniões diferentes, outra dica é o Mãetamorfose, que traz muitas sugestões legais e agrega mais de 24 mil leitores, com dicas sobre a chegada de um irmãozinho, festas para as crianças entre outros assuntos.

    E aí? Agora não tem desculpa para ficar parada e morrendo de dúvidas! A internet é um lugar vasto e cheia de pessoas que podem te ajudar. #ficaadica