Massagem Shantala: muito além do toque

    A Massagem Shantala, trazida para o ocidente pelo médico francês Fréderick Laboyer, é uma técnica indiana onde as mães massageiam seus filhos, de forma rítmica, suave e com movimentos específicos. Hoje, a Shantala é uma técnica de massagem que, comprovadamente, reforça os laços afetivos entre pais e filhos.

    Massagem Shantala

    O nascimento de um bebê é um momento de grande transformação para a mulher. Ela torna-se mãe. Nasce um bebê, nasce uma mãe. E um pai. E uma família inteira. E nasce um amor incontrolável, incalculável, por um “serzinho” que crescia dentro da mãe e que, ainda no ventre, já a transformava tanto. Todo esse amor e carinho pode ser colocado em prática!

    O bebê humano precisa de toque. As terapias de toque são milenares – o texto médico mais antigo da Índia, a Ayurveda (1800 a.C.), já prescrevia massagens como uma forma eficiente de cura. O toque constitui parte fundamental e essencial para o desenvolvimento humano saudável. É muito mais importante que qualquer palavra e se enquadra na comunicação não verbal. Os estudos demostram que a linguagem não verbal, isto é, a linguagem do corpo, constitui a parte mais importante nessa comunicação.

    A Massagem Shantala, trazida para o ocidente pelo médico francês Fréderick Laboyer, é uma técnica indiana onde as mães massageiam seus filhos, de forma rítmica, suave e com movimentos específicos. Hoje, a Shantala é uma técnica de massagem que, comprovadamente, reforça os laços afetivos entre pais e filhos.

    Massagem Shantala

    “Isto não é carícia. Não se engane com isso. Nesta mão há uma grande força. E você a vê, sente-a na mão abençoada. Uma grande força. E uma lentidão extrema. E é nisso, nessa lentidão que se mede sua compreensão, a sua habilidade. Quanto mais lento e continuo for seu movimento, tanto mais misteriosamente profundo será o efeito.” – Frédérick Laboyer

    A Massagem Shantala traz como benefício o alívio das cólicas, gases intestinais e da prisão de ventre. Também ajuda na eliminação de toxinas e oxigenação dos tecidos, melhora a qualidade do sono, diminui o stress e a irritabilidade, aumenta as percepções corporais e favorece o desenvolvimento psicomotor. E também passa amor! Passa carinho, afeto. Passa proteção, passa segurança.  E assim vai se formando um vínculo forte, tão forte, ao ponto de crescer um bebê mais seguro, mais sadio, com mais autoestima.

    A partir dos 30 dias de vida, o bebê se sente mais confortável em receber a massagem, que é ensinada não só para a mãe, mas para a família inteira. Ao estabelecer uma rotina diária que inclua massagem, os pais encontram um tempo privilegiado durante o qual desfrutam do bebê e da relação especial que constroem com ele. Não percam a oportunidade de promover este amor também através do toque. Os cursos podem ser oferecidos no ambiente do bebê, com música, uso de óleo para permitir o melhor deslizamento das mãos. A técnica é sempre finalizada com um banho relaxante.

    “Sim, os bebês tem necessidade de leite, mas muito mais de serem amados e receberem carinho. Serem levados, embalados, acariciados, pegos e massageados.” (LEBOYER, Frédérick, 1976)

    É importante se atentar quanto as CONTRA-INDICAÇÕES:

    Não massageie se o bebê estiver cansado ou com fome. O momento ideal é 1 hora depois de alimentá-lo.

    Não massageie o bebê se ele tiver sido vacinado na semana anterior ou ainda estiver sofrendo reação à vacina.

    Não massageie se ele tiver erupções ou infecções de pele.

    Não massageie se ele tiver algum problema nas articulações, ossos frágeis ou fratura.

    Não massageie o bebê contra a vontade ou não perturbe o sono dele para fazer a massagem.

    Massagem Shantala

    “Vocês se olham. E esse contato dos olhos é de grande importância. Durante a massagem é preciso conversar com a criança. Não somente com palavras. É preferível permanecer em silêncio. O silêncio ajuda a concentração. E, de fato, você vai aprender a se comunicar de outro modo. Seja atenciosa. Só pense naquilo que você está fazendo. Esteja “ali!”. Fale com o bebê com os olhos, com as mãos. Com o seu ser.” (LEBOYER, Frédérick, 1976)

    Nos bebês, a pele transcende a tudo. É este o primeiro sentido. Através dela ele percebe todo o resto. Para um recém-nascido, é mais importante um carinho ou um toque do que qualquer outra coisa.

    O toque é muito importante para que o bebê se sinta seguro, amado e se desenvolva de forma plena. A massagem é o toque amoroso que nutre, acalma e cura.

    Se você estiver insegura, o bebê vai sentir esta insegurança e pode ficar com medo. Se você estiver nervosa ou agitada, o bebê percebe este sentimento e pode ficar agitado. No entanto, se você estiver calma e tranquila, a chance do bebê aceitar bem a massagem é muito maior. Se você sentir que ele não está bem ou se começar a chorar, pare, pegue-o no colo ou mude ele de posição. Ele precisa sentir segurança e acolhimento!

    Tente, experimente, não desista.

    No próximo dia, tente de novo e acrescente outros movimentos. Alguns bebês aceitam a massagem bem desde o início, outros precisam de tempo e paciência.

    Use sempre óleo de origem vegetal extravirgem prensado a frio. (Ex: óleo de gergelim, óleo de amêndoa doce, óleo de girassol, óleo de semente de uva.)

    ATENÇÃO: cremes e o óleo mineral não são indicados para a massagem.

    Lembre-se de sempre colocar o óleo na sua mão e espalhar depois no bebê para ter certeza de que a temperatura está agradável. Antes de usar qualquer óleo para massagem, coloque um pouquinho na dobra do braço do bebê e observe possíveis alergias.

    O bebê pode dormir durante a massagem. Se isso acontecer, não o acorde! Espere despertar sozinho e, só assim, dê o banho relaxante, no ofurô ou banheira, finalizando a técnica.

    Aproveite as dicas e mãos à obra! Não se esqueça de colocar uma música calma e ajustar a iluminação. Curta ao máximo esses momentos!

    Escute sua intuição para tornar a sua vivência com seus bebês inesquecível e, se precisarem de ajuda ou simplesmente quiserem trocar ideias, entrem em contato. J

    Boa sorte e bons sonhos!

    Patricia Giugni é fisioterapeuta especializada em fisioterapia dermato funcional. Atende pacientes durante a gestação, parto, puerpério e estética genital. Realiza preparação perineal para o parto, drenagem linfática, pilates solo, bola para gestação e pós parto. É palestrante em cursos e oficinas relacionados à saúde da mulher e sexualidade feminina, além de realizar e palestrar sobre Massagem Shantala em bebês.

    Facebook: /patriciafisioestetica

    [sharethis-inline-buttons]