O desafio de ser pai de uma menina

    Será que serei amigo da minha filha? Ela irá compartilhar suas experiências? Ronaldo Gentil fala sobre essas e outras dúvidas de ser pai de menina.

    Sim! Sou pai de uma menina.

    Fui em todas as ultrassons. Largava o que for para estar lá. Eu queria ver meu bebê, mas também, pra mim, ir fazia parte da minha tarefa de pai.

    O dia da ultrassom para descobrir o sexo, meu irmão e minha cunhada foram juntos – se deixasse acho que ia todo mundo. A gente estava lá e a médica disse: olha o hamburguinho!

    Não sei que cara eu fiz, mas ela explicou: é uma menina!

    Ri muito do hamburguinho! rss

    Logo depois, o frio na barriga voltou! Vou ser pai de uma menina? Como? Sou todo louco, tatuado, com alargador! Vou ter que brincar de boneca e pintar a unha de rosa? Como é esse universo feminino?

    Cara, depois desse dia passei a prestar atenção em tudo que é conversa de mulher, principalmente falando dos pais. Tinha alguns meses para aprender alguma coisa!

    Certa vez, vi uma menina dizendo que desviava do caminho para não ter que encontrar com o pai, porque ele tinha um papo muito chato! Nossa! Me deu um medo!! Minha filha vai me evitar quando tiver 20 anos? Espero que não. Até hoje eu também saio do meu trajeto quando meus pais estão por perto, mas é para ir ao encontro deles, dar e ganhar um beijo.

    Será que terei que criar um personagem? Será que seremos amigos? Uma das coisas que me levou a querer ser pai antes dos 30 é porque eu queria ter muito tempo para curtir minha filha, não só quando bebê, mas ter gás para acompanhar sua adolescência, sua juventude.

    Então, resolvi que para ela ser minha amiga aos 20, terei que conquistá-la bem antes. Conhecer o mundo dela enquanto ela me permite e tentar mostrar meu mundo para ela, para que ela goste de dividi-lo comigo.

    Vai ser assim, vou brincar de boneca e ensinar Antonela a surfar.