O que meu filho levará na lancheira hoje?

    Na correria do dia a dia a primeira coisa que passa pela nossa cabeça quando entramos no supermercado é aonde encontrar uma “super prateleira milagrosa” com lanchinhos práticos, gostosos e, se possível, saudáveis, que resolvam todos os nossos problemas e levem embora a nossa culpa. Mas, na verdade, as prateleiras estão abarrotadas de lanchinhos, lindos, coloridos, com os super- heróis favoritos, que, para tentar amenizar a culpa materna escrevem em letras garrafais “ZERO GORDURA TRANS” dando uma informação pela metade, levando o consumidor a achar que realmente isso é possível. Na vida real não existe um lanchinho tão inocente que possamos jogá-lo diariamente na bolsa sem que isso nos tome mais que um minuto.

    A boa notícia é que com um pouco de organização e planejamento podemos melhorar muito a qualidade do lanche escolar de nossos “pimpolhos”, fazendo a alegria deles e tomando menos o nosso tempo. Como? Veja as dicas abaixo:

    O que não pode faltar na merenda

    Cada lanche deve trazer ao menos uma porção de um dos três grupos fundamentais de alimentos, que são os energéticos, construtores e reguladores. No primeiro, estão cereais, os açúcares e gorduras. Entre os construtores, estão as proteínas animais e vegetais, protagonistas na formação de nossos músculos, ossos e órgãos. Podemos citar o leite e seus derivados, as carnes e as leguminosas. Por último, estão os alimentos responsáveis por regular e controlar as funções do organismo, que são as frutas, as verduras e os legumes.

    Um exemplo de como planejar o cardápio semanal da lancheira é escolher uma opção de cada grupo abaixo (A + B + C):


    Seja criativo!

    Uma lancheira monótona, sempre com as mesmas preparações, faz a comida do colega ficar mais interessante. Varie o cardápio, mudando o tipo de pão, os acompanhamentos ou as bebidas. Um dia você pode incluir um sanduíche de pão integral com pasta de ricota temperada com orégano, azeite, uma pitada de sal e frango desfiado. Em outro, pode abrir espaço para o tradicional pão francês com queijo branco, alface e, para dar um toque especial, colocar alguns tomates, tomatinhos cereja, quem sabe até tomates secos.

    As bisnaguinhas, podem vir recheadas com requeijão ou com uma pasta de atum e queijo. Prefira os pãezinhos feitos na padaria aos industrializadas, cheios de conservantes. O bolo caseiro é um bom aliado, você pode assá-lo, preparar porções individuais e congelar. Retire do freezer a porção do dia, até o momento do recreio ela estará descongelada. Para ladear o lanche, você pode alternar iogurtes de frutas com leites fermentados e sucos.

    Em relação às frutas, as melhores opções são as que podem ser consumidas com casca ou quando podem ser retiradas com facilidade. As mais práticas são banana, maçã, pera, goiaba, uva e mexerica. O morango, além de fácil de comer, pode virar uma sobremesa se misturado com iogurte natural. O mamão picado faz o par perfeito com a granola (que deve ser sempre colocada na lancheira em recipiente separado e adicionada à fruta só na hora do recreio). Para os menorzinhos, o ideal é picar as frutas.

    Outras opções de lanche: cookies integrais, tortas assadas caseiras, esfirras, pão de batata, pão caseiro, pão de queijo. Na preparação utilize recheios suaves, naturais, se possível, inclua verduras. Para a massa, substitua pelo menos a metade da porção de trigo pela versão integral.

    O que não deve entrar

    Salgadinhos de pacote, biscoitos recheados, embutidos, frituras, refrigerantes e doces. Esses alimentos oferecem muito sal, gordura trans, conservantes, corantes, açúcar e quase sempre nenhum benefício nutricional. Os sucos de caixinha devem ser escolhidos com critério, prefira os sem corantes artificiais e conservantes. Fique atento às informações presentes nos rótulos, ingredientes e as informações nutricionais. Em relação aos adoçantes, se seu filho se alimenta corretamente, não está com sobrepeso e não é uma criança diabética, os alimentos devem ser usados nas formas naturais. Não precisa recorrer aos produtos light e diet.

    Envolva a criança no preparo da comida

    Essa é uma estratégia que funciona bem, estimula o interesse pelo tema e pode ser bem divertida. Se possível, leve-o à feira, a curiosidade natural das crianças fará todo o trabalho por você quando seu filho se deparar com o universo de cores, texturas e cheiros.

    Pergunte ao seu filho o que ele quer comer

    Consultar a criança antes de montar a merenda escolar é um jeito de fazê-la se sentir parte dessa escolha e evitar surpresas negativas depois. Como pais, devemos educá-las a fazer as melhores escolhas.

    As crianças tendem a preferir alimentos familiares, em detrimento dos que lhes são estranhos. O mais importante é trabalhar hábitos saudáveis dentro de casa, começando em nós. O que seu filho leva na lancheira, reflete o seu cuidado, organização e pode ser determinante para a saúde do seu querido. Esse é um investimento com retorno garantido. Pense nisso!

    [sharethis-inline-buttons]