O tesouro por trás da amamentação: a riqueza ao mamar

    Afeto, segurança, saúde... Você sabe quais são os tesouros escondidos por trás da amamentação? A psicóloga Talita Medeiros nos releva as riquezas guardadas e transferidas de mãe para filho por meio desse gesto tão lindo e tão rico que é o "dar de mamar".

    Prezados leitores, hoje falo sobre um tema muito especial: a amamentação e a importância deste ato, tanto para o bebê, quanto para sua mãe. A orientação do Ministério da Saúde é direcionada para a necessidade de que todas as mães amamentem seus filhos com o leite materno, principalmente para evitar a desnutrição e a mortalidade infantil.

    Mas será que essas são as únicas razões fundamentais para a amamentação? Quais as vantagens para mãe e seu bebê relacionadas ao ato de amamentar? E por que algumas mães e/ou seus bebês não tem tanta facilidade em lidar com esse momento? Essas são algumas questões que pretendo responder hoje.

    O leite materno é rico em nutrientes importantes para o início da vida de um bebê e é através da amamentação que a mãe consegue com mais facilidade voltar aos poucos à forma física que tinha antes da gestação. Isso acontece porque, ao dar de mamar, o gasto de energia é maior e os movimentos que o útero realiza neste ato contribuem para que o mesmo volte a seu tamanho anterior.

    Mas, além das razões fisiológicas que justificam a defesa do amamentar, existem os termos psicológicos. É neste momento que os vínculos afetivos se fortalecem entre a mãe e seu bebê, fazendo com que o pequeno inicie a construção de sua subjetividade, humanizando-se a cada dia e ocupando um lugar familiar que lhe foi destinado.

    fot2 É na amamentação que os vínculos afetivos se fortalecem entre mãe e bebê

    É cientificamente comprovado que a partir do quinto mês de gestação o bebê ouve e reconhece a voz de seus pais. Através da suavidade da fala da mãe, os desejos depositados no bebê desde a escolha do nome, até os sonhos que embalaram a chegada dessa criança, fazem com que este pequeno sujeito comece a ter um lugar próprio na família e no mundo e, com isso, dá-se início a constituição dessa subjetividade. Por isso é aconselhável que durante a amamentação a mãe fale com seu filho, humanizando-o e introduzindo-o dentro de sua cultura.

    Para aquelas mamães que tem dificuldade em amamentar, é preciso calma! Após o parto, muitas coisas mudam e muitos sentimentos ficam à flor da pele, e nem todas conseguem assimilar tantas emoções ao mesmo tempo.

    Por isso, neste momento é indicado procurar ajuda de algum técnico que possa auxiliar na técnica de amamentar. E caso a dificuldade persista, é preciso saber o que pode estar atrapalhando esse momento.

    Várias mães se sentem muito inseguras sessa hora, achando que não serão capazes de dar tudo aquilo que seu filho precisa, ou não tem o desejo de amamentar e etc. Muito disso pode ser um espelho da relação de suas próprias mães com a amamentação, o que nem sempre é um problema. Porém, para evitar o sofrimento para ambas as partes, é bom buscar ajuda especializada na tentativa de compreender e assimilar melhor tudo àquilo que acontece ao mesmo tempo, após o nascimento de um bebê.

    Um forte abraço, e até a próxima.

    *Fotos: : Karina Zambrana – ASCOM/MS – Via Flickr: Capa / Texto