Outubro Rosa

    O mês de outubro é conhecido mundialmente por ser o “Outubro Rosa” (Pink October) e, além de ser o mês de conscientização da população sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama, é também um movimento popular internacional.

    O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, de empresas e entidades. Este movimento começou nos Estados Unidos em 1997, onde vários Estados tinham ações isoladas referente ao câncer de mama e à mamografia no mês de outubro. Posteriormente, com a aprovação do Congresso Americano, o mês de outubro se tornou o mês nacional (americano) de prevenção do câncer de mama. A ação de iluminar de rosa monumentos surgiu posteriormente. A popularidade do Outubro Rosa alcançou o mundo de forma bonita, elegante e feminina, motivando e unindo diversos povos em torno de tão nobre causa. Isso faz com que a iluminação em rosa assuma um importante papel, pois tornou-se uma leitura visual, compreendida em qualquer lugar no mundo.

    Segundo dados do INCA, o câncer de mama é o segundo tipo mais comum da doença no mundo e o mais frequente entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos a cada ano. O número anual de ocorrências no país é estimado em cerca de 49 mil casos (2010) e, embora seja menos comum, homens também podem ser atingidos!

    No Brasil, as taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas, muito provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estágios avançados. Na população mundial, a sobrevida média após cinco anos é de 61%. Se diagnosticado e tratado precocemente, o prognóstico é relativamente bom.

    A mamografia é um método de inquestionável importância no diagnóstico precoce e na detecção do câncer de mama. O achado precoce de um tumor aumenta as chances de sucesso do tratamento. Os esforços para procurar e detectar câncer de mama precocemente são baseados no autoexame, no exame médico feito pelo ginecologista ou mastologista e nas técnicas de imagem da mama. Dentre as técnicas, a mamografia merece especial consideração, por ser um exame bem estudado e padronizado e, comprovadamente, se realizado anualmente, por diminuir a taxa de mortalidade por câncer de mama em cerca de 25%.

    Infelizmente, a maioria das mulheres já sabe que a mamografia é importante, mas ainda não fazem valer o seu direito diante dos governos e dos planos de saúde.

    O SUS é obrigado a fornecer uma mamografia por ano para mulheres acima de 50 anos, sabia? E se você tem plano de saúde, exija o exame. Converse com seu médico e peça para fazer.

    Alguns dados interessantes :

    – A obesidade parece estar relacionada como fator de mau prognóstico no câncer de mama. Dica: mantenha seu peso saudável com IMC de 18 a 25 (IMC = peso/altura x altura).

    – 45% dos casos de câncer de mama no Brasil são diagnosticados em estágios avançados.

    – Diagnosticado de forma precoce, muitas vezes a mastectomia (retirada total da mama) pode ser evitada.

    – A janela entre a primeira menstruação e o primeiro filho aumentou muito, fazendo os casos de câncer em mulheres jovens se tornarem mais comuns.

    – Uma mulher com câncer no Brasil só consegue começar o tratamento na rede pública 60 dias após o diagnóstico.

    Então, que tal entrar nessa corrente? Além de fazer sua mamografia anual, que tal convencer suas amigas, irmãs, tias, primas, colegas de trabalho a fazerem o exame? E, rapazes, deem um empurrãozinho para suas namoradas, amigas e esposas, certo? Também é uma luta de vocês.

    É hora de virarmos a mesa e mudarmos as estatísticas para mostrarmos que existe, sim, um futuro pós câncer de mama, que não existe sentença de morte e que a vida pode ser muito muito boa depois de vencer a batalha. Ajude a divulgar esse movimento lindo e mude a vida de uma pessoa!!

    Para maiores informações acesse o site:
    http://www.outubrorosa.org.br/