Plantando para nossos filhos

    A maior parte dos pais das crianças que atendo no consultório têm o mesmo objetivo: gostariam que os filhos vivessem de maneira mais saudável. Estão conscientes que precisam mudar o estilo de vida familiar, no entanto, perdem-se dentro de uma realidade já estabelecida às vezes ao longo de anos. De maneira geral, a grande maioria dos lares hoje precisa de ajustes, pensando nisso, algumas dicas práticas:

    – Converse com sua família sobre a necessidade de, gradativamente, mudarem seus hábitos. As crianças têm uma capacidade de compreensão e percepção muito maior que imaginamos.

    – Criança precisa ter horários! Organize a rotina da casa, hora do banho, de comer, brincar, estudar, dormir.

    – Criança precisa dormir cedo! Isso evita uma série de transtornos, previne doenças, e diminui a necessidade de “beliscar” à noite.

    – Mantenha alimentos saudáveis ao alcance dos olhos dos seus filhos.

    – Faça uma reforma na despensa e geladeira. Jogue o “lixo” fora, não traga para casa, alimentos que sabidamente fazem mal como, biscoitos tipo chips, recheados, balas, chicletes, chocolates, molhos industrializados, açúcar refinado, gelatinas coloridas artificialmente, entre outros.

    – Exclua o refrigerante da vida da sua família. Além de não trazer nenhum benefício à saúde, essa bebida possui inúmeros aditivos químicos como o temido ácido fosfórico que “rouba” nutrientes do organismo e pode levar a várias doenças.

    – Evite, ao máximo, alimentos embutidos e processados como, salsicha, salame, presunto, linguiça, bacon, nuggets.

    – Evite, ao máximo, caldos e temperos industrializados.

    – Substitua pelo menos, alguns dias da semana, o arroz branco pelo integral.

    – Prefira sucos naturais, pré-prepare algumas frutas, por exemplo, manga picadinha congelada em pequenas porções, maracujá batido com pouca água e congelado em forminhas de gelo, entre outras.

    – Evite adicionar açúcar nas bebidas e quando for necessário, prefira o mascavo.

    – Substitua o sal refinado pelo sal marinho integral, de preferência enriquecido com ervas e outros nutrientes.

    – Estabeleça o dia da farra! Combinem um dia na semana (sugiro o domingo) para que as crianças escolham algo diferente que queiram comer. De preferência, façam essa refeição fora de casa ou comprem apenas a quantidade que será consumida nesse dia para evitar sobras.

    – Acredite, dá para criar receitas saudáveis e deliciosas, como pizzas, bolos, vitaminas, usando ingredientes naturais e nutritivos.

    – Se for possível, procure fazer pelo menos uma refeição ao dia em família. Sentem-se à mesa, conversem, compartilhem seus sentimentos.

    – Jamais force a criança a comer ou estabeleça uma relação de chantagem com o alimento. Não vai ser pelo uso da força ou de ameaças que ela desenvolverá o gosto por alimentar-se bem, ao contrário.

    – Alimentação é questão de hábito. Comece aos poucos, mas comece!

    – Sobretudo, seja o exemplo!

    Talvez hoje tudo isso pareça um grande desafio. Porém, quando abrimos a mente e o coração, nos conscientizamos que, se queremos viver com saúde, mais do que isso, se não queremos ver nossos filhos ainda jovens hipertensos, obesos, diabéticos e com várias outras doenças, precisamos tomar certas decisões agora.

    Não dá para continuar com a despensa repleta de verdadeiras porcarias e querer saúde, isso é utopia! Não se trata de “bronca de nutricionista”, mas da preocupação de alguém que deseja que no futuro, seus filhos continuem saudáveis, em casa, estudando, brincando.

    Um dia, todos nós sentiremos na pele as consequências das decisões tomadas hoje. E pior, ou melhor, nossos filhos colherão os frutos plantados por nós.

    Um abraço e até a próxima!