Prepare-se para exercer seu papel mais importante!

    Nós, mulheres, estamos acostumadas a fazer mil coisas ao mesmo tempo: somos esposas, mães, trabalhadoras, estudantes, empresárias, executivas, líderes… Fazemos e acontecemos!

    De repente, como num passe de mágica, decidimos engravidar. Muitas vezes achamos que se trata apenas de decidir e engravidar, pronto! Como se a vida seguisse ordens e atendesse rapidamente nossas mudanças de planos, nossos desejos. Isso até pode acontecer, mas nem sempre é assim. Por isso, eu te convido a parar e refletir um pouco.

    Toda mulher que deseja ter um filho precisa redobrar a atenção para sua alimentação e estilo de vida. Quanto antes começar, melhor. Do ponto de vista NUTRICIONAL, a primeira questão que precisamos considerar é o peso.

    O tecido adiposo não é um tecido morto, ao contrário, produz hormônios que competem com os hormônios femininos diminuindo as chances de a mulher engravidar. Além disso, mulheres que engravidam com sobrepeso ou obesidade têm risco elevado para desenvolverem uma gestação de risco, Diabetes Gestacional ou Pré-Eclâmpsia. Essa é uma questão negligenciada por muitas e que pode ter resultados catastróficos para a família.

    Por outro lado, mulheres desnutridas podem ter carências de nutrientes fundamentais para este período e acarretar em consequências indesejáveis tanto na formação do bebê quanto na evolução da gravidez.

    Na verdade, saber o que comer antes de engravidar é importantíssimo não apenas para adequação do peso, mas também porque existem alguns nutrientes fundamentais para o desenvolvimento do bebê.

    Hoje quero destacar um deles, o Ácido Fólico, uma vitamina do complexo B presente no espinafre, aspargo, brócolis, vegetais de folhas verde-escuras, frutas cítricas, gema de ovo, entre outros.

    A deficiência de ácido fólico na alimentação pode causar a má-formação do tubo neural do bebê formado logo no primeiro mês da gestação. É o sistema nervoso primitivo do feto que se desenvolverá resultando na formação do cérebro e da medula espinhal. Sem o ácido fólico o tubo neural pode não se fechar completamente, causando alterações como espinha bífida e anencefalia.

    Estudos mostram que a ingestão de ácido fólico três meses antes e três meses depois da fecundação previne em mais da metade as chances do bebê vir a apresentar alterações do tubo neural. Mas não adianta ingerir a vitamina apenas quando a mulher descobre que está grávida porque normalmente nesta fase o tubo neural já se formou e não há mais tempo para o ácido fólico agir. De maneira geral, só a alimentação, não supre a quantidade que a mulher precisa ingerir desta vitamina diariamente. Por isso indicamos sua suplementação.

    O ácido fólico também previne outras alterações no bebê como doenças do coração, do trato urinário e fissura lábio-palatina. Além disso, traz vários benefícios para a saúde da mulher, como a prevenção de doenças cardíacas, certos tipos de câncer e anemia.

    Se pudermos planejar e preparar nosso corpo para a série de transformações que ele irá viver durante os nove meses de gestação, tudo pode ser muito mais tranquilo. Gerar um filho, sem dúvidas, é o mais incrível papel que exercemos na vida. Se nos preparamos para todo o resto porque não nos prepararmos da melhor maneira para essa missão? Pense nisso, cuide-se!

    Um grande abraço e até próxima!

    [sharethis-inline-buttons]