Proteja a pele do seu bebê no verão

    A partir dos seis meses de vida, a criança já está preparada para participar das curtições do verão, aproveitando praia, sol e piscina. Mas os cuidados precisam ser redobrados com a pele dos pequenos. E a grande preocupação das mamães acaba tirando o direito dos bebês de curtirem o clima da estação.

    A partir dos seis meses de vida, a criança já está preparada para participar das curtições do verão, aproveitando praia, sol e piscina. Mas os cuidados precisam ser redobrados com a pele dos pequenos. E a grande preocupação das mamães acaba tirando o direito dos bebês de curtirem o clima da estação.

    “Os filtros solares são obrigatórios, mas só podem ser usados em crianças após os seis meses de idade. Por isso a exposição solar precisa ser evitada antes dessa faixa etária”, afirma Jorge Huberman, neonatologista e pediatra do Hospital Albert Einstein e do Instituto Saúde Plena. O mesmo vale para os repelentes. Em caso de brotoeja, muito comum no verão, uma ótima dica é colocar um pouco de maisena na água da banheira do bebê e usar pasta d’água após o banho.

    Em vez de privar seu filho do sol, a melhor dica é dosar a exposição e tomar algumas medidas que restringem os acidentes. A seguir, você confere as dicas do pediatra para evitar os problemas mais comuns.

    Respeite os horários: a pele delicada dos pequenos não aguenta uma exposição tão forte dos raios de sol. Para evitar queimaduras, a primeira dica é curtir a praia ou piscina com o filhote somente antes das 10h ou após as 16h.

    Indispensável: o filtro solar para os pequenos é um item indispensável e precisa ser reaplicado regularmente. No caso das crianças, isso pode acontecer de 40 em 40 minutos ou toda vez que ela tiver contato com água. Não vale esquecer que o fator precisa ser no mínimo 15 e que existem protetores especiais para eles.

    Dormir no sol: bateu aquele soninho no pequeno? Já para casa. Quando as crianças dormem expostas ao sol o perigo de queimaduras é enorme. A melhor opção é levar a criança para casa e só voltar quando ela estiver com o pique todo.

    De olho no relógio: nada de passar a tarde toda com o filhote na praia ou na beira da piscina. O máximo que uma criança pode ficar exposta ao sol é 30 minutos, (15 de frente e 15 de costas). E não vale esquecer dos horários certos.

    Proteção sempre: o sol está escondido e o dia nublado? Não se engane. A proteção precisa acontecer do mesmo jeito. Você pode até não perceber mais os raios de sol estão lá mesmo com o sol encoberto, então capriche e proteja o filhote.

    Olha o chapéu: chapéus ou bonés são essenciais para garantir proteção para os bebês. Mas não se engane, opte por um que cubra o rosto e o pescoço do filhote, caso contrário, a única diferença vai estar associada com o charme. Uma dica é provar alguns modelos antes de partir para exposição solar, escolha aquele não incomodou tanto o pequeno.

    Aos poucos: conforme o filhote vai crescendo, você pode aumentar o tempo de exposição solar, mas isso precisa acontecer aos poucos e sempre respeitando os horários em que a força dos raios solares são mais amenas.

    FONTE: Minha Vida

    [sharethis-inline-buttons]