Retrospectiva 2014: um ano de emoções

    O ano de 2014 está chegando ao fim e o nosso colunista Rodrigo Rossoni fez uma retrospectiva para mostrar como nós, pais e mães, nem sempre percebemos como nossos filhos crescem num piscar de olhos

    Particularmente acho o dia 31/12, ou mais especificamente a virada do dia 31/12 para o dia 01/01, o dia mais importante do ano. Como já escrevi aqui no blog anteriormente neste post, não ligo muito para natal ou outras datas comemorativas, apesar de gostar muito de aniversários. Mas meu coração fica realmente alegre nesta ocasião: o ano novo.

    É ainda melhor quando minha escala de trabalho me permite estar em casa nessa data e juntar a minha família naquela contagem regressiva, sucedida de emoções, abraços, palavras afetuosas e encorajadoras, etc.

    O que há de especial para mim nesse dia é que o considero propício para reflexões e para recarregar as baterias. Além disso, as pessoas costumam pensar no ano que passou, nas conquistas, nas frustrações e naquilo que devem realmente gastar energias no ano que vai começar.

    Mas, principalmente, este é um período em que as pessoas se assustam com o passar do tempo. “De uma hora para a outra” seus filhos – que aos seus olhos nasceram ontem – cresceram, se desenvolveram, começaram a ler e a escrever, passaram no vestibular, criaram asas… Enfim, o tempo passou e você só se deu conta porque “já chegou o Natal e já é Ano Novo”.

    Acho isso interessante e, de certa forma, positivo, pois reposiciona nossas prioridades, reforça nossos valores e, às vezes, redefine alguns de nossos objetivos. Tudo isso porque, por um instante, você se permitiu observar melhor os traços do tempo em sua família.

    Quem é pai ou mãe e convive diariamente com os filhos, ainda que viva na rotina diária do trabalho, dos estudos, do vai e vem cotidiano, quase não nota a diferença física de seus filhos num intervalo de 15 dias. Porém, às vezes, eu acho que a minha vida passa em saltos.

    retrospectiva_2014_Um_ano_de_Emocoes.jpgElis, Lavínia e Luiza, durante uma “despedida”, antes de um novo período embarcado

    Minhas duas filhas, Lavínia e Luiza, mudavam muito em 15 dias, especialmente nos primeiros meses. Cada jornada de trabalho minha, de duas semanas, insiste em me mostrar o quanto o tempo passa depressa.

    Não sei quantas “novidades” eu deixei de acompanhar ao longo de nove anos trabalhando no regime offshore, mas sei que nesse intervalo em que eu estava fora, elas aprendiam a fazer tantas coisas que a minha sensação é de que minha esposa tinha dado alguma pílula mágica de aceleração do desenvolvimento. Pura ilusão! O desenvolvimento era normal, eu apenas não estava ali para notar.

    Seja como for, perto ou longe, o tempo passa aparentemente rápido quando se trata de nossos filhos. Se a rotina diária não lhe permitiu perceber isso ao longo do ano, e você puder parar e observar neles essas mudanças mais atentamente agora, neste período, terá a mesma sensação que eu tenho quando retorno do trabalho, depois de 15 dias longe de minhas filhas. Ou seja, talvez você tenha a percepção de que o tempo passou em um salto também.

    Não se pode controlar o tempo, mas ele não precisa ser um inimigo implacável. Nesse sentido, agora que o ano está acabando, além de notar as mudanças ocorridas em minhas filhas, também me lembrarei de momentos deliciosos vividos ao lado delas. Ainda que eu não tenha acompanhado de perto todos os passos, vibrei com cada nova etapa ou descoberta que minha esposa descrevia ao telefone. Elas estão crescendo, é normal. E eu sempre fico louco para chegar em casa e ver quais foram as mudanças em seus rostinhos lindos.

    Em Dezembro do próximo ano, estaremos novamente refletindo sobre a “efemeridade da vida”, mas meu desejo a vocês é que também sorriam e se emocionem bastante com as lembranças maravilhosas de um ano de muito amor e muita paz em nossas famílias.

    PS: Eliz, minha esposa, encontrou uma forma de me deixar mais próximo dos acontecimentos: ela me envia, sempre que há uma novidade, fotos das meninas e até dela mesmo em situações corriqueiras, ganhando um presente, um dente que cai, outro que nasce, uma atividade da escola, um novo sorriso, a primeira papinha, etc. Fiz um apanhado de alguns desses momentos e compilei no vídeo a seguir. São fotos e vídeos que ela me enviou no decorrer de 2014, enquanto estive embarcado. Espero que gostem!

    [sharethis-inline-buttons]